Josimar joga a tolha em relação à apoio de Flávio Dino: “essas pessoas não gostam do nosso grupo ao ponto de nos apoiar”
Blog do Professor Gil - Timbiras e Região

Josimar joga a tolha em relação à apoio de Flávio Dino: “essas pessoas não gostam do nosso grupo ao ponto de nos apoiar”

O deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL) jogou a toalha sobre a possibilidade de ser o candidato escolhido pelo governador Flávio Dino para sucedê-lo.

“Nós não sabemos o candidato do Palácio, é tanta conversa, já apareceu Felipe Camarão, já apareceu o Márcio Jerry. O grupo do governo, essas pessoas não gostam do nosso grupo ao ponto de nos apoiar num projeto desse. Você sabe a dificuldade que nossos aliados têm em cada secretaria de estado. A gente olha outros grupos tendo todas as benesses que são negadas para o nosso grupo. Então isso reflete claramente que nós não temos espaço”, disse Josimar ao Questão de Ordem.

Com Josimar fora da disputa, no grupo do governador Flávio Dino restam agora três pré-candidatos a governador: o vice-governador Carlos Brandão, o senador Weverton e o secretário Simplício Araújo.

O deputado disse ainda que o evento da próxima sexta-feira (3) não será para oficializar sua pré-candidatura ao governo. “Nós teremos três eventos, nesse primeiro serão com os prefeitos aliados, seus convidados e os nossos pré-candidatos. Depois, serão com agentes políticos, lideranças politicas que já tiveram mandatos e nos representa nos municípios e, no terceiro, chamaremos todos os vereadores do nosso grupo. Já em outubro faremos um grande evento com todos”, afirmou Josimar Maranhãozinho, ao estimar a presença de 50 prefeitos nesse primeiro encontro.

Em relação ao encontro com o presidente Bolsonaro nesta quinta-feira, Josimar Maranhãozinho disse que a pauta será aberta. “Essa agenda será junta com o presidente nacional do PL, Valdemar da Costa Neto e o deputado federal pastor Gil. Diferente do que foi divulgado, não será pra gravar vídeo do Bolsonaro em apoio à minha candidatura ao governo. Se a gente vai estar nas eleições com o presidente Bolsonaro nós não sabemos. Nós vamos decidir o que for melhor para o nosso projeto e o estado do Maranhão.”, declarou.

“Eu nunca falei que não seria candidato e nunca deixei de falar que sou candidato ao governo do estado”, finalizou.

Categoria: Notícias